semtelhas @ 15:34

Sab, 20/10/12

 

E, de repente, Sara Vaughan no rádio.

 

Há tantos anos esquecida nos confins da memória ali estava a melhor voz feminina de sempre do jazz.

 

Estava a passar uma faixa de um espetáculo que deu ao vivo em Monterey (1984). Em poucos segundos fui transportado para uma outra época, outra idade, outra realidade. O filme que se desenrolava à minha frente enquanto conduzia, adquiriu outras tonalidades, as atitudes e os movimentos das pessoas outros sentidos, outras motivações. O resto da viagem foi feito a levitar sustentado por aquela voz e, mais que tudo, pela interpretação que sai do fundo da alma.

 

São assim os grandes artistas. Tornam as coisas melhores, mais aceitáveis. Vestem a realidade com outras roupagens. Ensinam o caminho para o guarda-roupa que todos temos guardado na nossa mente, e que tem soluções para todas as ocasiões, mesmo para as mais exigentes, mais imprevisíveis, mais dificeis.

 

Já em casa corri para o todopoderoso youtube e mergulhei.



 

Abençoada esta gente que nos eleva o olhar do sujo chão lamacento, para a pureza e infinitude do céu azul.


direto ao assunto:

"O medo de ser livre provoca o orgulho de ser escravo."
procurar
 
comentários recentes
Pedro Proença como presidente da Liga de Clubes er...
Este mercado de transferências de futebol tem sido...
O Benfica está mesmo confiante! Ou isso ou o campe...
Goste-se ou não, Pinto da Costa é um nome que fica...
A relação entre Florentino Perez e Ronaldo já deve...
tmn - meo - PT"Os pôdres do Zé Zeinal"https://6haz...
A azia de Blatter deve ser mais que muita, ninguém...
experiências
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


mais sobre mim