semtelhas @ 15:10

Seg, 30/01/12

Estão em exibição nos cinemas três filmes franceses que abordam questões importantes nos dias que correm e, qualquer deles bastante esclarecedor. O Rapaz da Bicicleta trata de adopção. Ninguém ou poucos estão disponíveis para adoptar um adolescente, por razões aparentemente óbvias. Acontece que essa evidência parte de um equívoco de base, quem adopta pretende resolver o seu problema e não o da pessoa adoptada. Quem de facto quer ajudar suporta tudo, ou quase, para no fim ser compensado com o maior dos prémios, amor incondicional.

Apollonide aborda a questão da prostituição. Tendo como veículo um bordel para gente poderosa de fins do secXIX princípio do secXX e de uma forma bastante explicíta, assistimos aquilo que todos já conhecemos mas que nunca é demais lembrar, mais ou menos legal ou consentido o aluguer do corpo é, muitas vezes, a perda da alma, leia-se dignidade. A forma como as pessoas com mais poder material abusam fisica e moralmente de quem a tal se sujeita não serve a ninguém. Aquilo que mais nos destingue dos restantes animais é essa capacidade de sentir quando estamos a forçar ou a abusar de alguém, mesmo quando esse alguém o consente porque, ao fazê-lo, está a transmitir para o agressor a responsabilidade de ter esse descernimento. Se, uma vez feita essa análise, não sentir as garras da culpa, então não se está abusar de ninguém.

É também de abusos que trata Polissi. Acompanhámos a uma brigada de proteção de menores parisiense e, aquilo a que assistimos, não é bonito.

Aquela gente vive todos os dias o inferno e, depois, vai para casa. Aqui, aquela máxima de deixar ficar o trabalho no escritório, ou na fábrica, é não só uma utopia como um anacronismo, é que eles também tem filhos, irmãos, também são pais, avós, e, sobretudo também são pessoas. É verdadeiramente notável esta viagem! Um murro no estômago que vale a pena em que verdadeiramente se torna assistir aquelas duas horas de filme. Admiráveis pessoas ( andam aí, ao nosso lado ) que fazem da vida delas o renascer de outras, normalmente inocentes, mostrando que a verdade é sempre a melhor escolha, mesmo quando o preço a pagar seja muito alto. E como o é para eles!


direto ao assunto:

"O medo de ser livre provoca o orgulho de ser escravo."
procurar
 
comentários recentes
Pedro Proença como presidente da Liga de Clubes er...
Este mercado de transferências de futebol tem sido...
O Benfica está mesmo confiante! Ou isso ou o campe...
Goste-se ou não, Pinto da Costa é um nome que fica...
A relação entre Florentino Perez e Ronaldo já deve...
tmn - meo - PT"Os pôdres do Zé Zeinal"https://6haz...
A azia de Blatter deve ser mais que muita, ninguém...
experiências
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


mais sobre mim