semtelhas @ 14:49

Ter, 17/04/12

Realismo mágico, enquanto escola literária sul americana, e a magia feita realidade são conceitos diferentes, complementares, normalmente, onde um acaba o outro começa.

 

Como é sistematicamente sensível nos livros daquele que é o mais conhecido rosto do Realismo Mágico, Gabriel Garcia Marquez, este estilo como que convoca um novo fôlego para a vida. Os velhos de GGM no Outono do Patriarca, Amor em Tempo de Cólera e o inesquecível José Arcádio Buendia, em Cem Anos de Solidão, entre tantos outros são disso prova. Em A Memória das Minhas Putas Tristes, este autor chega a demonstrar que é a partir dos 50/60 anos, uma vez ultrapassados todos os medos e escapado às doenças que normalmente, quando aparecem, é nessas idades, que a vida realmente começa. Um caminho feito da realidade crua e nua que é a vida, para um outro, com um certo misticismo redentor, salvador. Aqui menos religioso do que é, por exemplo, entre os velhos da Europa, mas recorrendo mais à liberdade das ideias, da fantasia, onde o tempo e a imaginação não têm limites. Uma transposição, nem sempre suave, para o mundo dos sonhos, é a experiência que Gabriel Garcia Marquez nos proporciona. Viagens alucinantes.

 

 Para ilustrar o outro conceito, magia real, parece-me ser Mário Vargas Llosa o escritor mais adequado. Neste caso o caminho é feito por crianças, jovens e homens novos, alguém que, pela sua idade, ainda vive dentro de um mundo mais, ou menos, ilusório, ainda mágico, do qual o autor vai (nos) levando pela mão, fazendo essa quase sempre dolorosa, traumática passagem, para a dita vida real. Em livros como Conversas na Catedral, politicamente, em Tia Júlia e o Escritor, sexualmente, ou nos Cadernos de Dom Rigoberto, no amadurecimento, podemos constatar essa metamorfose. A nostalgia presente nas obras de GGM dá lugar a uma certa esperança no futuro. Ou, pelo menos, na possibilidade de o construir pos si próprio. Escritor profundamente interessado na politica, como o demonstra nas Conversas... e no fantástico A Festa do Chibo, verdadeiro paradigma da "republica das bananas", mas também capaz de transmitir sensualidade a niveis deliciosamente perturbantes como na Tia Júlia ou nos Cadernos de Dom Rigoberto.

 

Navegando nestas águas impossível ignorar o homem que misturava e baralhava, no mesmo texto, magia e realismo nos seus estados mais puros. Roberto Bolano, caso tivesse durado, provávelmente seria tão ou mais lido que os "monstros" atrás referidos. E daí...talvez não. Se calhar o que conduziu a pena de tão espantoso escritor, só seja sensível quando se sabe com os dias contados, nada a perder, já a sentir a arajem e o reflexo do que lá vem.

 


direto ao assunto:

"O medo de ser livre provoca o orgulho de ser escravo."
procurar
 
comentários recentes
Pedro Proença como presidente da Liga de Clubes er...
Este mercado de transferências de futebol tem sido...
O Benfica está mesmo confiante! Ou isso ou o campe...
Goste-se ou não, Pinto da Costa é um nome que fica...
A relação entre Florentino Perez e Ronaldo já deve...
tmn - meo - PT"Os pôdres do Zé Zeinal"https://6haz...
A azia de Blatter deve ser mais que muita, ninguém...
experiências
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


mais sobre mim