semtelhas @ 14:39

Sex, 29/03/13

 

Terra Prometida, de Gus Van Sant, fala-nos de "progresso", de mentira, de poder, de dinheiro, da terra terra, e da terrinha, de amor e de verdade.

 

 

 

Nestes tempos de saturação em que, cada vez mais, a tecnologia parece fazer com que cada um de nós se sinta dispensável, quase a mais, está instalada uma guerra pela sobrevivência onde vale pouco menos que tudo. Alguns dos mais habilitados, seja por que razão fôr, enfrentam essa disputa recorrendo a algumas das armas mais poderosas ao seu dispôr, nomeadamente aos recursos que este exaurido planeta ainda vai oferecendo, para dominar a vasta maioria dos restantes. Esse processo atingiu níveis de sofisticação elevadissímos, de tal forma que, porventura perto do último reduto, à única maneira de os contrariar já não é suficiente procurar lutar no mesmo campo através de gente muito bem preparada sobre todos os pontos de vista, mas sobretudo baseando-se em alguns dos valores mais profundos que subsistem na cada vez mais cansada, descrente e indiferente sociedade que somos, as raízes de cada um, a verdade, o amor.

 

É de todos esses valores que este filme trata, os bons e os maus. O argumento é construído de forma a fazer a demonstração clara de quanto é fina a parede que separa lados aparentemente tão distintos, como é fácil qualquer um cair para um ou para o outro face a uma realidade que se apresenta de uma dificuldade que parece intransponível no presente, e ainda mais no futuro. Procura-se explicar que enquanto não se mudarem os pressupostos daquilo que se diz ser uma vida boa, daquilo que são as ambições que nos são inculcadas diáriamente, a toda a hora, jamais saíremos dessa prisão onde nos pretendem meter definitivamente, sem sequer perceberem que dada a dimensão do embuste, se sentirão tão prisioneiros os milhões de alienados quanto eles, seus carcereiros, pelo simples facto de que uma vivência minimamente feliz e saudável só é possível com a participação da maioria.

 

Como seria bom se, como no filme, houvesse sempre um velho sábio, informado e bom, uma mulher bela, disponível e boa pessoa, uma comunidade plena de exemplos de boa vontade,  pureza e cooperante, tudo isto em doses suficientes para transformar um predador de alto gabarito, num homem capaz de vasculhar nas suas origens as razões para se tornar numa pessoa fundamentalmente preocupada com o bem comum, porque percebeu que só assim atingirá o seu próprio bem estar. 


direto ao assunto:

"O medo de ser livre provoca o orgulho de ser escravo."
procurar
 
comentários recentes
Pedro Proença como presidente da Liga de Clubes er...
Este mercado de transferências de futebol tem sido...
O Benfica está mesmo confiante! Ou isso ou o campe...
Goste-se ou não, Pinto da Costa é um nome que fica...
A relação entre Florentino Perez e Ronaldo já deve...
tmn - meo - PT"Os pôdres do Zé Zeinal"https://6haz...
A azia de Blatter deve ser mais que muita, ninguém...
experiências
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


mais sobre mim